Uma confusão muito comum :

    É comum se ver na Internet ou ouvir no radio a frase “SSTV e outras modalidades digitais”, e que deixa supor que SSTV é uma modalidade digital, o que não é verdade.

    Todos os modos atuais de SSTV (baseados no uso da placa de som ou outro recurso de geração do sinal FM de audio) usam modo de transmissão puramente analógico, exatamente semelhante a atual TV analógica.

    O sinal de RF (e audio) de SSTV é modulado em FM (apesar de passar por um transceptor SSB, que no caso apenas translada a banda FM de audio para outra de RF e vice-versa, mantendo o mesmo desvio de freqüência, e de forma semelhante a transmissão ainda em uso no Brasil, de TV analógica FM via satélite (ex: alguns TP do Brasilsat B1).

    Tanto faz ser audio ou RF, o sinal de SSTV tem freqüência instantânea diretamente proporcional ao valor instantâneo de cada uma das cores primarias, portanto, é uma transmissão puramente analógica, como será mostrado nas páginas seguintes.

    A geração e recepção destes modos de SSTV pode ser feita totalmente com circuitos analógicos (evidentemente externos ao PC), o que resultaria inclusive numa melhor definição, pois ficaria livre dos erros de quantização e aliasing próprios de qualquer processo de digitalização, como ocorre no DSP (processador digital de sinais) da placa de som.

    Apenas por comodidade e facilidade, inclusive de filtragem e outros, o sinal FM de SSTV é gerado e demodulado pelo DSP da placa de som, usando rotinas de FFT (transformada rápida de Fourier), baseado nas amostras digitais de cada pixel da imagem. Portanto, é apenas na transformação da imagem já digitalizada em sinal FM, e na operação inversa, que se usam os recursos digitais e o DSP da placa de som.
Somente uma parte (o PC) do sistema é digital, o resto todo sendo analógico. Um sistema só pode ser considerado digital quando todo o processamento, incluindo transmissão/recepção, for digital.

    Portanto, SSTV será realmente uma modalidade digital quando o valor de cada pixel for transmitido diretamente em bits, usando por exemplo BPSK, QPSK, QAM, COFDM ou outro modo digital, a exemplo das atuais transmissões digitais de TV  ATSC ou DVB.

    Obs: no sinal de SSTV, o código VIS (10 bits) é a única parte transmitida de forma digital, em FSK, mas esse identificador de modo não é necessário para uma correta demodulação.
Em alguns softs é gerado também um identificador do usuário de modo semelhate ao VIS.

    Resumindo : SSTV é uma transmissão com esquema totalmente oposto a uma transmissão digital normal. Em SSTV, a informação a ser transmitido já é digital ( a imagem BMP, JPG, GIF etc...), mas o meio usado é analógico !.... Num esquema digital normal, a informação a ser transmitida é analógica (voz ou imagens do mundo natural, que é analógico) e a transmissão é digital. Veja na figura seguinte :

     Numa transmissão digital, n bits são agrupados em um simbolo, e estes simbolos são transmitidos numa taxa expressa em Bauds (ou simbolos por segundo).
O esquema bem simplificado de uma transmissão digital de SSTV seria o seguinte:

    Obs.: Escrevi este artigo em dezembro de 2000. Agora sim, em 5 de dezembro de 2002, foi liberado o primeiro programa para transmissão digital de sstv (veja aqui).