Esta pagina foi criada em 10/01/2001, dia do aniversário (81 anos) do meu pai Robert Zurmely, em sua homenagem.
VIVE LA MARQUE !
Acho que não é preciso dizer que meu Pai é um grande entendido e entusiasta Bugatti.
Vejam porque :

Robert Zurmely, ao volante de um Bugatti Type 37, restaurado por ele. (sem a lataria em alumínio)
Observe o motor, com bloco em alumínio. Quase tudo no carro era em alumínio, por isso pesava  a metade dos concorrentes e os deixava na poeira...


 O mesmo Bugatti Type 37 de 1927 (totalmente restaurado) e Robert Zurmely.


Bugatti Type 57 Galibier (1934) e Robert Zurmely, também restaurado por ele. (foto Roland Zurmely)
Robert Zurmely foi mecânico na antiga fábrica BUGATTI, de 1934 até 1939 em Molsheim, França, onde hoje está uma nova fábrica, cujo nome  BUGATTI  foi comprado pela Volkswagen AG.

Para desfazer qualquer dúvida:

BUGATTI ( a marca ) é uma marca francesa, criada por um italiano, Ettore Bugatti, "Le Patron", em Molsheim em 1909 , que então pertencia à Alemanha até 1918, quando voltou a pertencer à França. Ettore se naturalizou francês em 1947, ano de sua morte.

A marca Bugatti obteve mais de 2000 vitórias em competições, fato até hoje não superado por nenhuma outra marca de automóveis... Somente no ano de 1925, de 1 de Janeiro a 30 de Setembro, foram 412 vitórias em 273 dias ! mais de uma vitória por dia !  E em1926, foram 501 vitórias, mais de 14 por semana, e 47 recordes ! Entre eles o Championnat du monde.
A tecnologia Bugatti estava na época muito à frente dos seus concorrentes como Fiat, Maserati, Mercedes, Alfa Romeo e Ferrari, para citar só alguns.

Bugatti também venceu os 1o, 2o, 3o e 5o Grand Prix de Mônaco, e marcou a melhor volta do 1o ao 5o ! (1929 a 1933). A imagem seguinte (desenho de Benjamin Freudenthal) mostra o Bugatti Type 51 (8 cilindros, 2,261 litros), pilotado por Louis Chiron, vencedor do grande premio de 1931. Ao lado a Maserati pilotada por Luigi Fagioli. No fundo, o carro branco numero 8, uma Mercedes SSKL (6 cilindros, 7,065 litros), que quer dizer Super Sport Curto Leve (Super Sport Kurtz Leicht) que, comparado ao Bugatti, não tinha nada de leve (1500 kg contra 750 kg do Bugatti !) e curto !.. só no nome, tanto que se atrapalhou todo nas estreitas ruas de Monte Carlo:

Vejam aqui impressionantes fotos dos grandes prêmios de Mônaco de 1929 e 1930.

No 5o GP de Mônaco, a melhor volta foi com 1mn59s e média de 96,2 km/h, com Varzi ao volante de um Bugatti. Só para ter uma idéia, 54 anos depois, em 1987, no 45o GP de Mônaco, Ayrton Senna com todo seu talento, e uma Lotus com suspensão ativa, pneus três vezes mais largos e um motor três vezes mais possante, fez a melhor volta em 1mn28s com média de 136,6 km/h, quando ganhou o seu 1o GP de Mônaco, de um total de 6 ...

A cor dos carros de corrida Bugatti sempre foi o azul, como o famoso e imbatível Type 35 acima, pois na época a nacionalidade dos carros em corridas internacionais era distinguida pela cor : azul = França, vermelho = Itália, prata ou branco = Alemanha, verde = Inglaterra para citar algumas.
Em 1963, a fabrica Bugatti foi cedida ao grupo Hispano-Suiza.
Atualmente se chama Messier-Bugatti , e produz  trens de pouso, rodas e freios para aviões.

De 1990 até 1995, para tentar ressuscitar o nome, funcionou uma fabrica em Campogalliano na Itália, que produziu entre outros o famoso EB110, que bateu o recorde de velocidade da Ferrari F40 com 342km/h em 1992, e era o carro de produção em série mais potente do mundo (Guinness 94).
Também do Guinness, o carro antigo mais caro do mundo é um Bugatti Royale Type 41, o coach Kellner, chassis No 41141, de propriedade de um colecionador japonês.

A foto seguinte mostra outro Bugatti Royale, a Limousine Park Ward, chassis 41131, que fotografei no museu do automovel em Mulhouse:

(foto Roland Zurmely)
Detalhe : TODOS os radiadores Bugatti tem forma de ferradura de cavalo, (inclusive os modernos de Campogalliano e da Volkswagen, na foto abaixo) porque Ettore era apaixonado por cavalos verdadeiros, além dos puros-sangues que construía...

  Veja aqui mais noticias sobre os novos Bugatti.
 


Aqui você pode ver, ouvir e dirigir um Bugatti : 

  Veja também os excelentes sites :


 

 Veja a maior coleção de Bugattis, no museu Schlumpf em Mulhouse :

Robert Zurmely no museu Schlumpf em Mulhouse :

 

A imagem seguinte é de uma reportagem de 1993 num jornal da cidade de Forbach:

O Bugatti Type 57 "Atalante" :

 


Tabela simplificada das principais características dos modelos de corrida Type 35, 37 e 51.

Type Compressor Cilindros Cilindrada cc Eixos OHC Válvulas
35 Não 8 1991 1 24
35A Não 8 1991 1 24
35T Não 8 2262 1 24
35B Sim 8 2262 1 24
35C Sim 8 1991 1 24
37 Não 4 1496 1 12
37A Sim 4 1496 1 12
51 Sim 8 1991 2 16
51-1 Sim 8 2262 2 16
51A Sim 8 1493 2 16


INCRÍVEL ! :  Uma fábrica, a PUR SANG, (nome que Ettore dava às suas obras primas) na cidade de Paraná, província de Entre Rios, Argentina, está montando uma nova série do famoso Bugatti type 35B.
Veja na foto seguinte, gentilmente cedida pela Sra V. Anadón, da Pur Sang Argentina :
Segundo a Pur Sang, não se trata de uma réplica, mas uma nova série totalmente feita artesanalmente de acordo com as plantas originais e com materiais usados na época e técnicas modernas de controle de qualidade. O motor é de 8 cilindros, 2300 cc, 130 hp, 5500 rpm, 3 válvulas por cilindro e compressor. A maioria da produção é vendida na França, onde um dos modelos venceu recentemente uma corrida em Divonne-les-Bains. 

 
 
E como diz o ditado : Neta de peixe, peixinho é !

Na foto seguinte, minha sobrinha Gaëlla Zurmely com seu avô Robert.

Gaëlla é filha do meu irmão Lucien. Foi escolhida piloto principal do ALIZÉ, para o Eco-Maraton Shell de 1997. A finalidade não é a velocidade (25 km/h em média), mas a economia de combustível : o Alizé, fabricado pelos colegas da escola de engenharia de Gaëlla (ENSAIS, Ecole Nationale Supérieure des Arts et Industries de Strasbourg), faz mais de 1069 km com UM litro de combustível !... Foram gastas 2000 horas de estudos para chegar a esse resultado. Na foto seguinte Gaëllaaparece ao lado de um dos construtores (Denis Renaux, Chef moteur) e colega de turma da ENSAIS, junto ao Alizé. (obs.: em cima do armário a direita: o motor de um cilindro que equipa o carro: 36 cm cúbicos, 4 tempos, 400W de potência). (foto Roland Zurmely)



Robert Zurmely também construiu um carro de corrida para os amigos Freiss Paul e Robert Riehl, donos de oficina mecânica em Strasbourg, com motor 2 cil. BMW 500 cc, o Racer 500 FRS . A categoria Racer 500 surgiu na Inglaterra após a segunda guerra e revelou entre outros o famoso piloto Stirling Moss, e  deu origem a Formula 3.  Na foto seguinte da (década de 50) aparecem da esquerda para a direita,  Freiss Paul, Robert Zurmely e Robert Riehl , ao lodo do Racer 500 FRS em construção:

 


Nota: Lembrança do Racer 500 FRS, montado pelo meu fiel mecânico de corridas Robert Zurmely.

Bem no meio da foto, o meu pai como mecânico de corridas, ao lado do Racer 500 FRS.

A capa do livro L´épopée Française des "Racers 500" 1949-1959 (François Jolly), mostra o Racer 500 FRS, com Robert Betrand ao volante, na cidade de Reims, em 1950 :

 


 

Meu tio Lucien Zurmely (irmão mais velho do meu pai Robert) também foi mecânico da Bugatti, especialista na mecânica do Autorail da marca. Vejam aqui um atestado da fabrica:

Aqui ele aparece ao lado do famoso Autorail Bugatti, que em 1935, já tinha a forma aerodinâmica dos TGV de hoje, e na época, quebrou o recorde mundial de velocidade sobre trilhos de 196 km/h ! :

A foto seguinte é do Autorail Bugatti Présidentiel, preservado no museu do trem em Mulhouse, que era equipado com 4 motores de 8 cinlindros, 12000 cm cúbicos cada, originalmente projetados para o carro Royale (veja mais acima). Observe que a cabine do piloto ficava no meio do autorail e acima, permitindo assim a conduta em qualquer sentido ! :

 


 

E aqui estou eu, fazendo um estagio na F1 Renault !... :

 

E aqui estou ao volante (de mentirinha) de um TALBOT (de verdade !) Monoplace GP 26 C - 1948 :


 

Veja:    Bugatti no Brasil !

Voltar para Home page de PY4ZBZ

rev.

05-03-2009